segunda-feira, 5 de julho de 2010

A alimentação carnívora e o vegetarianismo por Ramatís

PERGUNTA: A recusa em matar o animal ou ave já não é um protesto contra a existência de matadouros e charqueadas? Isso não comprova a posse de uma alma com melhor aprimoramento espiritual?

RAMATÍS: As criaturas que matam a ave ou o animal no fundo do quintal ou que obtém o seu salário no trabalho dos matadouros, podem ser almas primitivas, que não avaliam o grau de sua responsabilidade espiritual junto à coletividade do mundo físico. Mas aqueles que fogem na hora cruel do massacre do irmão bem demonstram compreender a perversidade do ato e o reconhecem como injusto e bárbaro. Em consequência, ratificam o conhecimento de sua responsabilidade perante Deus, recusando-se a assistir àquilo que em sua mente significa severa acusação ao espírito. Confirmam, portanto, ter conhecimento da aniquidade de se matar o animal indefeso e inocente. É óbvio que, se depois o devoram cozido ou assado, ainda maior se lhes torna a culpa, porque o mesmo ato que condenam, com a ausência deliberada, fica justificado pessoal e plenamente na hora famélica da ingestão dos restos mortais do animal.

Os fujões pseudamente piedosos não passam, aliás, de vulgares cooperadores das mesmas cenas tétricas do sacrifício do animal; o consumidor de carne também não passa de um acionista e incentivador da proliferação de açougues, charqueadas, matadouros e frigoríficos.

O vosso código prevê, na delinquência do vosso mundo, penas severas tanto para o executor como para o mandante dos crimes de co-participação mental, pois a responsabilidade pesa sobre ambos. Os que não matam animais ou aves, por piedade, mas digerem jubilosamente os seus despojos, tornam-se co-participantes do ato de matar, embora o façam à distância do local do sacrifício; são, na realidade, cooperadores anônimos da indústria de carnes, visto que incentivam o dinamismo da matança ao consumirem a carne que mantém a instituição fúnebre dos matadouros e do trucidamento injusto daqueles que Deus também criou para ascensão espiritual.


MAES, Hercílio. Fisiologia da alma. 13ªed, São Paulo: editora do conhecimento, 2002, p.47 e 48

Nenhum comentário:

Postar um comentário